China quer criar teologia baseada no comunismo

interior-da-st-johns-cathedral-igreja-de-hong-kong-na-china-erguida-em-estilo-gotico-em-1849-essa-e-a-mais-antiga-sobrevivente-das-igrejas-ocidentais-daquelas-terras-chinesas-1372157462080_750x500

Nos últimos meses o governo chinês tem usado a força para demolir igrejas cristãs e retirar símbolos como as cruzes que ficam no topo do prédio.

A justificativa da ação é que tais edifícios foram construídos ilegalmente, mas os cristãos locais acusam o governo de tentar impedir o crescimento do cristianismo no país. Agora um jornal estatal divulgou que a China pretende criar sua própria teologia cristã, tendo como base a cultura local e o socialismo.

A declaração sobre o assunto foi feita pelo líder da Administração de Estado para os Assuntos Religiosos, Wang Zuo’an, ao jornal China Daily. “A construção da teologia cristã chinesa tem que se adaptar às condições nacionais e integrar a cultura chinesa.”

“Nas últimas décadas, as Igrejas protestantes chinesas se desenvolveram muito rapidamente, com a adoção de políticas religiosas nacionais”, disse Wang falando sobre as igrejas cristãs que receberam autorização do governo para funcionarem.

Na visão do governo, a crença cristã precisa ser “compatível com o caminho em direção ao socialismo” que rege o Partido Comunista. As igrejas que não são autorizadas a funcionar passam a ser perseguidas, seus líderes e fiéis chegam a ser presos ou torturados.

A Igreja Católica da China, por exemplo, tem seus cultos vigiados e os padres são escolhidos pelo governo e não se submetem à autoridade do Vaticano, rejeitando os dizeres e as ordens do Papa.

Apesar dessa pressão política, os cristãos representam entre 1,7% a 2,9% da população chinesa segundo dados recentes divulgados em um seminário em Xangai e citados em uma reportagem da agência AFP. Ainda de acordo com esta reportagem todos os anos cerca de 500.000 pessoas se batizam nas igrejas protestantes da China.

Fonte: GOSPELPRIME

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *